Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

Mensagem de abertura

Caríssimos amigos, deixem aqui os vossos comentários, enviem "coisas de gatos" para o nosso e-mail: velhogatosabio@gmail.com e espreitem a página VGS no Facebook: Isabel Santos Brás (Velho Gato Sábio). Obrigada.

Citação sobre gatos em destaque

“Amo os gatos porque amo a minha casa e, a pouco e pouco, eles tornam-se a alma visivel.” Jean Cocteau

Vai dar banho... ao gato!

cat-114496_640.jpg

Dar banho ao gato, significou quase sempre para mim tomar mais banho eu do que ele. Antes de mais, havia que preparar tudo em segredo caso contrário demoraria horas infinitas à procura do “fugitivo”. Pressentia logo que chegara para ele o dia “fatídico”! Depois tinha de colocar em marcha toda uma complicada operação de, com uma mão segurar bem o gato que, naturalmente, fazia de tudo para escapar a partir do momento em que eu abria a água, e com a outra proceder às lavagens. Pelos miados de protesto, alguém de fora poderia pensar que se tratasse de um ato de malvadez.

 

A questão que nos pode vir à mente é: deve-se ou não dar banho aos gatos? É verdade que eles são muito escrupulosos com a sua higiene, dedicando muitas horas por dia a minuciosas “auto lavagens”. Também é de considerar o facto de que dispõem de um estrato lípido sobre a pele que a protege, pelo que o banho poderá removê-lo e deixar a pele seca e exposta a dermatites e parasitoses. Contudo, nem sempre os gatos conseguem limpar-se sozinhos, e sobretudo para aqueles sortudos que podem gozar de algumas horas ao ar livre no jardim da casa dos seus humanos, por vezes o banho torna-se um must. Nada de exageros, porém. Apenas se deve dar banho aos gatos quando é estritamente necessário.

 

É certo e sabido que uma boa parte da população dos pequenos felinos tem medo da água, pelo que o banho pode ser uma experiência traumática para eles. Outros, pelo contrário, parecem gostar de brincar com a água. É tudo uma questão, não só de predisposição genética mas também de hábito. Se forem habituados desde tenra idade a um contato gradual e suave com a água, em breve o banho deixará de ser um drama.

 

É melhor dar-lhe banho numa bacia suficientemente larga, com um tapete antiderrapante colocado no fundo para ele não escorregar. Ou então no lavatório. Geralmente a banheira assusta-os muito mais. Não é preciso encher a bacia com água, basta um bocado de água quente. Se optarmos por utilizar o chuveiro é importante certificar que a pressão da água é baixa e que a água não sai demasiado quente nem fria. Após agarrar e colocar o gato com muita delicadeza dentro da bacia, começa-se a molhá-lo lentamente. Pode-se usar um champô específico para gatos ou então recorrer ao champô  para bebés. Nunca se deve utilizar os champôs dos adultos, que são demasiado agressivos para a pele dos gatos. Ensaboa-se delicadamente com pequenas massagens e tendo muito cuidado com os olhos e as orelhas. Para lavar o focinho pode-se usar um bocado de algodão embebido em água tépica com um tudo de nada de champô. Depois é só enxaguar bem com água tépida (repito: muita atenção aos olhos e às orelhas, evitar ao máximo que entre água sobretudo dentro das orelhas), repetindo a lavagem se necessário para remover bem toda a sujidade. Na última enxaguadela, se derramarmos um copo de água com uma colher de vinagre de maçã, os resíduos de champô serão mais facilmente eliminados.

 

Após o banho deve-se envolver bem o gato numa toalha ou pano quentinho e começar logo a enxugar o pêlo. Durante o inverno, é aconselhável colocá-lo junto de um aquecedor ou lareira acesa para não apanhar frio e evitar que a humidade lhe cause problemas de saúde. No caso dos gatos de pêlo comprido pode ser necessário usar o secador, a uma temperatura média e direcionado para o lado contrário àquele do pêlo, penteando-o à medida que ele for enxugando. Cuidado para não enervar o gato. Por conseguinte, as suas zonas mais sensíveis como a barriga, as patas posteriores e a cauda, devem ser enxugadas em último lugar.

 

E que tal preparar em casa um champô seco a baixo custo, e o qual pode ser utilizado de tempos a tempos para manter o manto de pêlo limpo, sem necessidade de um banho? Basta espalhar no manto um bocadinho de bicabornato de sódio e depois escovar bem, ou em alternativa, usar farelo de trigo aquecido no forno a 150◦C durante 20 minutos e depois deixar arrefecer.

 

E agora só me resta dar os créditos a quem de direito, por estes bons conselhos em que me baseei, acrescentando, obviamente, o meu cunho, observação e experiência pessoal: AAVV, Enciclopedia del Gatto, Rusconi Libri, 2013. Se tivesse lido um guia prático como este há mais tempo, teria poupado a mim e aos meus antigos companheiros gatos muitos equívocos.

Companheiros cibernautas gatófilos em destaque este mês:

44 Gatti

2 comentários

Comentar post