Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

Caríssimos amigos gatófilos e demais visitantes

Deixem aqui os vossos comentários, enviem "coisas de gatos" para o nosso e-mail: velhogatosabio@gmail.com e espreitem a página VGS no Facebook: Isabel Santos Brás (Velho Gato Sábio). Obrigada pela vossa visita. Voltem sempre!

Citação sobre gatos em destaque

“Eu poderia viver sem muitas coisas neste mundo. Mas não poderia viver sem a delicadeza e subtileza dos gatos” Amara Antara

Gato Francesco descontraido = Bé Feliz

ciccio.jpg

 

O gato Francesco foi o meu maior desafio até ao momento. Permaneceu durante três longos dias assustado e stressado, escondendo-se nos cantinhos todo encolhido, e com as pupilas dilatadas pelo medo. Mal tocava na comida e "chorava" de noite. Devagarinho, pé ante pé, falando-lhe com muita doçura, fui-me aproximando e mostrando-lhe que podia confiar em mim. Começou a comer cada vez com mais apetite e agora, não só me deixa chegar junto dele, como já anda de volta de mim a miar pedindo mimos: rebola-se no chão e fica de barriga para o ar para eu lhe fazer festas. A paciência e a perseverança produziram os seus frutos e estou feliz, é maravilhoso vê-lo assim descontraído e a sentir-se à vontade cá em casa. Boa Francesco!

O gato Francesco

gatto francesco.jpg

 

Mais um novo hóspede por uns dias! É a vez do gato Francesco conceder-me a honra da sua presença. É um belo gato, grande, com um manto espesso de pelo branco e cinzento e uns maravilhosos olhos amarelados.

 

Pena que seja a timidez e o medo em forma de gato. É um exemplo de gato que sofre de stress de modo muito mais intenso do que todos os outros gatos que já hospedei até ao momento.

 

Geralmente, quando os gatos chegam cá em casa permanecem algumas horas meio aturdidos e um bocadinho stressados. O que é perfeitamente natural. Encontram-se de repente num ambiente estranho e com pessoas que nunca tinham visto. Todavia, basta-lhes pouco para se aperceberem que não existem quaisquer ameaças, e por conseguinte relaxam, exploram cada cantinho da casa, brincam comigo e recebem os meus muitos miminhos visivelmente satisfeitos. Alguns chegam mesmo a sentir-se "demasiado" à vontade :-) O Francesco depois de dois dias ainda se esconde e observa-me desconfiado. Com ele é preciso mais tempo e paciência.

Os gatos também sofrem de stress

gato-12.jpg

 

A maioria dos gatos ama a tranquilidade. São animais rotineiros, dedicando a maior parte do seu tempo a atividades repetitivas como comer, fazer a higiene do seu corpo, dormir, coahitar com os seus humanos... à exceção de ações esporádicas mais energéticas de brincadeiras e simulações de caça, no caso dos gatos que não saem de casa,  e de verdadeira caça para os que têm a liberdade de sair à rua. Enfim, uma vidinha simples e regrada é o ideal para o seu sistema nervoso.

 

Por conseguinte, tudo o que saia deste esquema pode representar para o gato um enorme distúrbio. Alguns reagem mais nervosamente, outros menos. Como fatores de stress para os gatos, incluem-se a ida ao veterinário, as viagens, as visitas de humanos barulhentos, a chegada de um outro animal para condividir o espaço, obras em casa ou mudança de casa, entre muitos outros. Quando o gato se encontra stressado, revela sintomas físicos (tal como nós) como aumento da pressão sanguínea e taquicardia, podendo manifestar também comportamentos agressivos e outros igualmente negativos.

 

Se se tratar de um acontecimento de breve duração, o seu estado físico e mental alterado tornará a níveis normais também em breve tempo. Mas no caso em que o fator de distúrbio se prolongue, a adrenalina permanece alta por mais tempo, gerando casos típicos de stress, com possíveis desenvolvimentos de estados depressivos e ansiosos.

 

Como identificar se o gato está stressado e com medo? Alguns começam a fazer as necessidades fora da toilette, ou a marcar a casa com a urina (sobretudo no caso dos machos). Outros permanecem demasiado quietos, escondendo-se com muita frequência debaixo dos móveis. Deixam de brincar e de ser ativos. Outros ainda começam a lamber o pêlo compulsivamente e a arranhar-se, chegando ao ponto de danificar a pelagem e até fazer feridas.

 

O que fazer para acudi-los? A primeira coisa a fazer é tentar identificar a fonte de stress para o nosso companheiro peludo. Quanto mais depressa o fizermos e colocarmos fim às causas da perturbação, mais depressa o gato poderá reencontrar o seu equilíbrio psíco-somático sem esforço e sem perigo. Porém, se por qualquer motivo não conseguirmos identificar bem as causas e acabar imediatamente com elas, o stress prolongado poderá comprometer seriamente o bem estar do gato, pelo que o melhor é consultar um veterinário o mais depressa possível.

 

A gatinha Astrid e os seus brinquedos

astrid-9.jpg

 

Astrid é uma das mais sossegadas gatas que eu alguma vez conheci! Passa muito tempo deitada nos seus cantinhos favoritos, atenta ao que a rodeia, mas sempre tranquilamente, sem fazer grande alarido. Também gosta de brincar, é certo, e tem as suas bolinhas para se entreter. Mas o que mais a entusiasma é simplesmente um cordelito em movimento. Típico dos gatos, não é?

O gato Hyro

hyro-5.jpg

 Este é o gato Hyro, um belíssimo Europeu com laivos de Siberiano, que hospedei cá em casa nos últimos dias.

 

Depois de algumas horas de timidez, a esconder-se e a observar atentamente todos os nossos movimentos, o que é perfeitamente compreensível pois tudo era novo e estranho para ele, começou pouco a pouco a relaxar-se. Iniciou por explorar todos os cantinhos da casa e depois escolheu os seus lugares para fazer umas belas sonecas. Um dos seus preferidos era uma cadeira almofadada posicionada por debaixo da mesa. Passámos muitas horas divertidas a brincar com uma bolinha e às escondidas. O Hyro portou-se magnificamente por todo o tempo, mostrando um caráter tranquilo e afetuoso. Sempre que queria a sua papa, vinha todo meiguinho roçar-se nas minhas pernas, olhando de quando em quando para mim e soltando um miado suplicante.

 

Como me agrada fazer cat hosting! Tenho a possibilidade de conhecer vários gatos e fazer novos amiguinhos. Naturalmente, esta é a melhor época do ano para a minha atividade de cat sitter, por via das férias.

 

O gato Sagrado da Birmânia

gato sagrado birmania.jpg

 

O gato Sagrado da Birmânia ou Sagrado de Burma é o gato ideal para humanos inteligentes, curiosos, otimistas, sociáveis e joviais, amantes do desporto sem exageros e do shopping.  É um gato magestoso, imponente, elegantíssimo. Não tem qualquer problema em socializar com as visitas da casa, e dá-se bem com as crianças, com quem gosta de brincar.  Uma das suas caraterísticas mais marcantes, para além da sua beleza exótica, é o seu caráter maravilhoso. É um gato muito equilibrado, de índole tranquila, o que não o impede de ser um grande brincalhão e de se empoleirar nos sítios mais impensáveis.  Os seus modos graciosos, dignos da realeza, são encantadores. Os machos são um verdadeiro exemplo de cavalheirismo felino: antes de começarem a comer esperam que sejam os gatinhos e as fêmeas  a servirem-se primeiro. 

 

Adapta-se bem à vida dentro de casa, mas o ideal é que a casa disponha igualmente de um jardim espaçoso. A sua forte personalidade não é obstáculo a uma sã convivência com outros animais, nomeadamente cães. Com os seus humanos demonstra-se muito afetuoso e fiel, sendo um perfeito companheiro para pessoas idosas. Desde tenra idade é a jovialidade em forma de gato. A sua vivacidade não esmorece nem mesmo na idade adulta. É “falador” e curioso, e adora ser mimado pelos seus humanos.

 

São de tamanho médio, pesando 6 a 7 kg, os machos, e 4 a 5 kg as fêmeas. A sua corpuratura é maciça mas não robusta. Apresentam um manto de pêlo semilongo, macio e sedoso, de cor creme com reflexos dourados, e tons mais escuros de cor castanho na cauda, patas, focinho e orelhas.  Tem uma cabeça ligeiramente redonda, com umas orelhas pequenas  com pontas arredondadas, e uns belíssimos olhos grandes e amendoadas, de um azul intenso. A cauda é longa e as patas curtas e robustas, com caraterísiticas patas com “luvas” brancas.  As cores admitidas são as tonalidades da cor colour point e as cores base seal, lilac, chocolate, cream. Convém escovar o seu manto de pêlo pelo menos duas vezes por semana, e diariamente durante a muda. Se o convidarem para tomar um duche convosco, não se fará rogado, pois adora água. Em termos de alimentação, tolera bem a ração seca durante o dia, mas à noite prefere comida fresca como carnes brancas ou peixe acompanhados de verduras cozidas a vapor. É aconselhável dar-lhe um multivitamínico enquanto gatinho (até a um ano de idade) e em adulto apenas nas ocasiões de muda ou de stress.

 

Qual a origem desta magnífica raça de gatos? Existe mais do que uma versão. Uma delas é baseada na lenda dos gatos guardiões do templo de Lao-Tsun,  já referida anteriormente.  Outra versão refere que em 1919 o monge Yotag Rooh-Ougji do templo de Lao-Tsun deu de presente um casal de gatos a August Pavie, um oficial francês, e a Russell Gordon, um oficial inglês, por estes terem ajudado os monges a evitar um saque do templo durante uma revolta popular.  Maldapur, o macho, não resistiu à viagem. Sita, a fêmea, que partira da Birmânia já prenha, conseguiu chegar a França onde teve a sua primeira ninhada. Os gatinhos foram designados Sagrados da Birmânia, para não serem confundidos com os Burmeses, que em tempos foram igualmente designados Birmanos por via da sua origem.  Uma outra versão aponta para um cruzamento que foi feito entre um gato Angorá de cor branco com olhos azuis ou um Persa com o focinho pouco achatado, com um Siamês. Esta versão é mais aceite sob o ponto de vista científico, já que o gato sagrado da Birmânia possui um gene chamado “Himalaiano” que lhe confere o manto claro com as pontas mais escuras. De qualquer modo,  a raça viria a ser reconhecida em França em 1925, Na Grã Bretanha em 1966 e nos Estados Unidos da América em 1967.

 

Os gatos de Lao-Tsun

lenda gato birmania.gif

 

Eis mais uma lenda associada aos gatos. Na antiga Birmânia, atual Myanmar, uma lenda conta que há muitos séculos atrás o Templo de Lao-Tsun era guardado por gatos brancos. Este templo dedicado à deusa Tsuyn-Kyan-Kse e situado nas proximidades do Lago Incaougji, tinha naquele tempo como sumo sacerdote Mun-Ha. Entre os gatos guardiões do templo, Sinh era o preferido de Mun-Ha, que o consultava como oráculo antes de tomar qualquer decisão. Sinh, com o seu manto completamente branco e olhos dourados, estava sempre com Mun-Ha, contemplando juntos a deusa, a qual era representada por uma estátua de ouro com olhos de safira. A deusa tinha o poder de conceder ao homem a transferência para o corpo de um animal sagrado antes de atingir a perfeição.

 

Uma noite, o templo foi assaltado por invasores e o sumo sacerdote foi assassinado. O gato Sinh saltou imediatamente para cima do corpo de Mun-Ha e fixou o olhar na estátua da deusa, pelo que naquele instante a alma de Mun-Ha transferiu-se para o gato. Imediatamente os olhos de Sinh tornaram-se azuis como os da deusa, e o seu pêlo ficou com  reflexos dourados enquanto que as patas tornaram-se castanhas, à exceção das pontas que permaneceram brancas porque estavam em contato com a pureza dos restos mortais do sacerdote. Sinh fixou então o olhar para a porta sul com expressão autoritária, pelo que os outros sacerdotes compreenderam que lhes estava a dar ordem de a fecharem para impedir que os saqueadores invadissem todo o templo.

 

Após sete dias da morte de Mun-Ha, Sihn morreu igualmente. Quando os sacerdotes se reuniram junto da estátua da deusa para escolher o sucessor de Mun-Ha, ficaram surpreendidos com a entrada de todos os outros gatos guardiões em procissão: cada um deles tinha-se transformado como Sinh, com os olhos azuis, o pêlo com reflexos dourados, as patas castanhas com a ponta branca.

 

Esta é a lenda que conta uma das versões da origem da famosa raça dos Gatos Sagrados da Birmânia, de que falaremos em próxima edição.

 

Os gatos comunicam a seu modo

miado-em-excesso.jpg

 

Que grandes fala-baratos que são os gatos! Quer seja entre eles ou com os seus humanos, os gatos não perdem uma oportunidade para “dizer o que pensam”. Por vezes não entendes o “gatês” do teu amigo felino? Basta observá-lo bem, ele ensinar-te-á com o tempo a reconheceres o significado de cada atitude sua.

 

Os gatos utilizam diversos modos para se expressarem. Para além de uma ampla gama de vocalizações, entre os quais miados e murmúrios, usam muito a linguagem corporal que compreende a mímica facial, a cauda, as patas. Enfim, todo o corpo lhes serve para comunicar. Por exemplo, quando pressentem um perigo e estão em alerta, o seu corpo fica teso, o pêlo eriça-se e os olhos ficam arregalados, bem abertos. Ao passo que quando estão relaxados os seus olhos ficam semi-serrados. Se puxam as orelhas para trás e os bigodes ficam esticados, cuidado... estão zangados. Se, pelo contrário, abaixam as orelhas e os bigodes, estão assustados.

 

Quando dois gatos se encontram, saberemos logo se são amigos se os virmos a esfregar o nariz um no outro e a cheirarem-se mutuamente. Se são inimigos e se preparam para lutar, veremos que depois de se cheirarem brevemente ambos se colocam com a cabeça muito próxima um do outro, antes de começarem a agredir-se com ruidosas miadelas de intimidação. Jamais nos devemos intrometer numa briga entre dois gatos. Para separá-los o melhor é lançar-lhes um balde de água e fazer muito barulho.

 

A cauda dos gatos é um grande “barómetro” do seu estado emotivo. Se estão tranquilos e nos querem saudar ou a um outro amigo gato, andam de rabito no ar, ou seja, com a cauda levantada. Porém, se a cauda está levantada mas tremelicante significa que estão agressivos e preparam-se para atacar, o mais prudente é deixá-los em paz. Se abaixam a cauda e a ponta fica curvada, provavelmente estão agitados e assustados, aterrorizados mesmo se mantiverem a cauda entre as pernas.

 

Os gatos adoram comunicar com os seus humanos. Obviamente, não “falam” a nossa língua, por conseguinte, não entendem as nossas palavras. O que é importante é o nosso tom de voz. Eles sentem particularmente as vibrações da nossa voz. Deste modo, para “falar” com eles devemos usar sempre um tom de voz suave e a volume baixo. Gritar é absolutamente contraproducente. Muito menos o devemos fazer quando eles de manhã nos acordam com lambidelas e nos tocam gentilmente nas pernas ou no rosto com as suas patitas com as unhas retraídas. É que estão-nos demonstrando um grande afeto.  Se então, quando chegamos a casa se começam a esfregar nas nossas pernas, “abraçando-nos” com a cauda, é sinal de um grande amor por nós. Recompensemo-los imediatamente com muitos mimos de apreço, claro está.

 

Companheiros cibernautas gatófilos em destaque este mês:

Associazione Gatti d'Italia