Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

Caríssimos amigos gatófilos e demais visitantes

Deixem aqui os vossos comentários, enviem "coisas de gatos" para o nosso e-mail: velhogatosabio@gmail.com e espreitem a página VGS no Facebook: Isabel Santos Brás (Velho Gato Sábio). Obrigada pela vossa visita. Voltem sempre!

Citação sobre gatos em destaque

“Eu poderia viver sem muitas coisas neste mundo. Mas não poderia viver sem a delicadeza e subtileza dos gatos” Amara Antara

Os Felinos nas Culturas Pré-Colombianas

220px-Tepeyóllotl_1.jpg

 Figura representando o deus azteca Tepeyollotl (in https://commons.wikimedia.org)

 

Com a nossa "máquina do tempo de gatos" já estivémos em África, Europa e Ásia, para conhecer o modo como os nossos antepassados viam e se relacionavam com os felinos em geral e o gato em particular. Que tal hoje darmos um saltinho à América?

 

Muito bem. Assim sendo, propomos recuar à época das grandes civilizações designadas pré-colombianas, ou seja, que se desenvolveram naquele continente antes da chegada de Cristóvão Colombo. Aliás, ao que parece, deve-se aos espanhóis a introdução dos gatos domésticos nos territórios americanos por eles conquistados. Contudo, já praticamente todas as etnias - Olmecas, Mixtecas, Zapotecas, Maias, Aztecas,Toltecas, Moches, Incas, Quetchua, só para citar as que mais se destacaram -, admiravam os felinos, especialmente o jaguar e o puma.

 

Em algumas, foram mesmo venerados a pontos de existirem divindades associadas a estes animais. Começamos pela Mesoamérica e a América do Sul. É o caso dos Aztecas, cujo deus Tepeyollotl (que significa "Coração da Montanha") é representado por um jaguar pulando para o Sol, que "persegue" diariamente tentando devorá-lo. As manchas da sua pele representam as estrelas no céu. Esta divindade encontrava-se associada às montanhas, aos terremotos e aos ecos (que são causados sempre que eleva a sua voz), bem como aos próprios jaguares. No calendário azteca, é um dos "Senhores da Noite", e corresponde a uma das manifestações do deus Tezcatlipoca. Este último era o soberano da noite e da terra, encontrando-se ligado à beleza, magia, discórdia e guerra. A mitologia azteca menciona um confronto com o deus Quetzalcóatl (uma das principais divindades dos Aztecas e Toltecas, que significa "serpente emplumada", representando a vida e a abundância) em que Tezcatlipoca é emerso nas profundezas do mar, e ao se elevar do fundo do oceano transforma-se num jaguar.

 

Os antigos Maias tinham entre o seu panteão diversos deuses-jaguares, como por exemplo o deus L, uma das suas mais antigas divindades, que controlava a magia negra e a prosperidade. Os Maias relacionavam o jaguar com o "sol nocturno". Honravam ainda Cit Chac Coh, o deus da guerra, considerado o "gémeo do puma". Realizavam-se festejos periódicos em sua honra e os soldados dançavam no seu templo, sacrificando um cão junto da sua imagem. Para Itzamna o jaguar era sagrado. Era o deus do céu, o pai dos deuses e criador da humanidade. Governava a sabedoria, a cura, a regeneração, a medicina, a água, as colheitas e a fertilidade. Por vezes surge como o fundador da civilização Maia, e como o primeiro sacerdote da sua religião.

 

Na civilização Mochica ou Moche, que surgiu entre os séculos I e VII no atual Perú antes da civilização Inca, para quem o jaguar era sagrado, um dos deuses mais importantes é Ai Apaec também designado "Degolador", considerado o criador e protetor dos Moche (particularmente dos agricultores, dos pescadores e dos caçadores), que provê a água e a comida, propiciando igualmente as vitórias militares. É representado através de uma figura antropomórfica com dentes e bigodes semelhantes àqueles de um grande felino, e com a cabeça coberta por uma pele de jaguar.

 

Os Quechua realizavam cerimónias religiosas para aplacar o espírito Ccoa, semelhante a um gato, senhor dos rios e do granizo, pois acreditavam que se o não fizessem, atingiria as populações e devastaria as suas colheitas.

 

Na América do Norte, muitas tribos representavam animais nos seus totems, incluíndo felinos. Para os Pawnee, por exemplo, o gato era um animal sagrado que simbolizava a destreza, a reflexão e a engenhosidade, e como tal era protegido, podendo apenas ser morto por ocasião de certos rituais.

 

Companheiros cibernautas gatófilos em destaque este mês:

Associazione Gatti d'Italia

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.