Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

Caríssimos amigos gatófilos e demais visitantes

Deixem aqui os vossos comentários, enviem "coisas de gatos" para o nosso e-mail: velhogatosabio@gmail.com e espreitem a página VGS no Facebook: Isabel Santos Brás (Velho Gato Sábio). Obrigada pela vossa visita. Voltem sempre!

Citação sobre gatos em destaque

“Eu poderia viver sem muitas coisas neste mundo. Mas não poderia viver sem a delicadeza e subtileza dos gatos” Amara Antara

Os gatos são outros quinhentos...

 

eu e minu.jpg

 

Nós humanos somos feitos em modo tal que estamos sempre à procura, por vezes de forma exagerada, de aprovação e de afeto. E parece-me que não apenas por parte de outros humanos como também dos nossos amigos gatos. Eu, pelo menos, confesso que sou assim. Quando um gato me permite de mimá-lo, ou melhor ainda, quando ele próprio por sua vontade me honra com as suas manifestações de afeto, sinto-me particularmente feliz.

 

Uma dessas manifestações que tanto me agrada é aquela em que o gato se senta muito direitinho como uma estátua, e me olha piscando os olhos quando lhe falo com voz doce (no meu caso quase patética). E este é apenas um dos muitos exemplos das subtilezas que os gatos usam para reforçar os laços que estabelecem connosco. Fico sempre aborrecida quando me vêm com aquela velha ideia estereotipada de que os gatos são uns grandessíssimos interesseiros. Por exemplo, há quem ache erradamente que só dormem enroscadinhos a nós porque no inverno procuram constantemente uma fonte de calor. A verdade é que o fazem igualmente no verão. Pessoalmente acredito, e já tive inúmeras confirmações, que o seu afeto é sincero. Os gatos não fingem como nós.

 

Recordo um dos meus companheiros, o Nokas, que não sendo propriamente um gato muito afetuoso, todos os dias quando eu regressava a casa recebia-me calorosamente, roçando-se com delicadeza nas minhas pernas e miando com evidente satisfação por me ver. Sempre que me sentava pesadamente no sofá com um ar triste e desconsolado pelo desafio menos agradável que enfrentara naquele dia, o Nokas imediatamente subia para o meu colo e começava a dar-me marradinhas e ronronava até me arrancar um sorriso do rosto.

 

Contudo, é preciso ter em conta que mesmo um gato meigo conserva sempre uma certa reserva e destaque que são uma caraterística dos pequenos felinos. Nem sempre vem a nós quando o chamamos, não se afasta de cima dos móveis sobretudo do sofá quando lhe pedimos, e não está sempre a bajular-nos. Os gatos não são expansivos como os cães. Os gatos são outros quinhentos. Reconhecem a nossa voz mas não abanam o rabo nem emitem sons. Orientam um dos seus radares, as orelhas, na direção das nossas palavras e com isso estão a dar-nos um sinal de afeto e de reconhecimento. Quem diria? É que este aparente simples gesto para eles implica uma complexa elaboração mental. Como sempre digo, para compreendermos e apreciarmos as suas reações e emoções, temos de ser uns observadores bem mais atentos.

 

Companheiros cibernautas gatófilos em destaque este mês:

Associazione Gatti d'Italia

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.