Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

VELHO GATO SÁBIO

Os gatos são uma fonte inesgotável de conversa para quem, como eu, há muito se rendeu completamente à sua sublime beleza e ancestal sabedoria...

Caríssimos amigos gatófilos e demais visitantes

Deixem aqui os vossos comentários, enviem "coisas de gatos" para o nosso e-mail: velhogatosabio@gmail.com e espreitem a página VGS no Facebook: Isabel Santos Brás (Velho Gato Sábio). Obrigada pela vossa visita. Voltem sempre!

Citação sobre gatos em destaque

“Eu poderia viver sem muitas coisas neste mundo. Mas não poderia viver sem a delicadeza e subtileza dos gatos” Amara Antara

A gata "furacão" chamada Uma

Como se costuma dizer, "não há duas sem três", e neste caso não há dois gatos hóspedes sem um outro gato hóspede. Para ajudar à festa, recebemos a Uma, gata da raça Chartreux (certosino em italiano), que também vai ficar cá por casa duas semanas.

 

A Uma (segundo os seus humanos, é um nome indiano) possui uns maravilhosos olhos redondos amarelados a contrastar com o cinzento azulado do seu espesso mas macio manto de pêlo. É lindíssima! Porém, ó céus, é um autêntico "furacão". Tem uma energia daquelas das "pilhas duracell": não pára quieta e é tremendamente curiosa.

 

Os outros dois gatos, o Simba e a Minu, muito sossegaditos que eles são, acho que nunca tinham visto nada semelhante. A Minu, que é uma "lady", não se deixou impressionar pela irreverência da Uma, e não lhe permite grande intimidade. Mas o Simba, coitado, é a "vítima". A Uma não lhe dá tréguas, quer brincar às corridas mais loucas do mundo e desafia-o constantemente. É um fartote de riso com as suas traquinices. O pior é que de noite dorme pouco e acorda-nos frequentemente com as suas explorações noturnas. Ainda bem que os seus humanos se esqueceram de trazer o seu brinquedo favorito, os berlindes, senão...

 

gatta uma.jpg

 

 

Os meus novos hóspedes

Mal podia esperar pelos meus novos hóspedes! Pareceu-me voltar ao meus tempos de menina, quando a minha mãe anunciava que íamos receber a visita de alguém da família que só víamos algumas vezes por ano. Era sempre uma emoção. Sobretudo quando as visitas incluíam primos da nossa idade, o que significava mais brincadeiras e diversão.

 

O Simba e a Minu chegaram finalmente. Tirando o primeiro dia em que se viram num lugar que não era o seu território e ficaram um pouco ansiosos, o que é perfeitamente natural, já se instalaram comodamente cá em casa. Vão ficar duas semanas, enquanto os seus humanos gozam o merecido período de férias. São muito amorosos. O Simba é um lindo gato (para mim todos os gatos são lindos) tigrado de cor castanho, e a Minu é uma graciosa gata semi-tigrada de cor cinzento. Digo semi porque uma boa parte dela é coberta por um manto fofo de pêlos brancos.

 

O Simba é mais ternurento do que a Minu, que embora igualmente meiga tem revelado um caráter um bocadinho mais atrevidote. Adora esconder-se. E como todos os gatos ambos são curiosos e metem o nariz em tudo, sobretudo na cozinha como seria de esperar. Mas comportam-se bem e de um modo geral são tranquilos. O meu marido, que se inclina mais para os papagaios, rendeu-se completamente ao fascínio destes dois pequenos felinos que vieram trazer mais alegria e vibrações positivas ao nosso cantinho.

 

Ontem à noite estava estendida na cama a ler e o Simba veio fazer-me companhia. Subindo para cima da cama com toda a ligeireza e elegância que só os gatos sabem ter, primeiro deu-me as boas noites com muitas marradinhas delicadas e depois deitou-se ao meu lado. Achei incrível quando ele estendeu uma das suas patas dianteiras, pousou-a nas minhas pernas, e adormeceu. Não obstante ter sentido as suas unhas que roçaram ao de leve a minha pele quando distendeu os deditos, pensei comovida que esta era uma das inúmeras demonstrações de afeto com que os gatos nos privilegiam. Significa que estão relaxados e sentem-se seguros ao nosso lado. Que gostam de ser mimados por nós, como o eram pela sua mãe gata. Claro que também lhes serve para deixar o seu odor. Mas é inegalvemente mais um fio que tece e reforça os laços que estabelecem com a sua “mãe” humana.

 

simba e minu.jpg

 

Companheiros cibernautas gatófilos em destaque este mês:

Associazione Gatti d'Italia